50 Conselhos para um Escritor Iniciante

Por Sandro Massarani Resolvi colocar aqui alguns conselhos interessantes para ajudar a refrescar a cabeça de quem gosta de escrever. Não há nenhuma sequência ou ordem específica nos conselhos.  Lembrando que praticamente todos esses pontos são analisados de forma mais profunda nos meus outros textos. 1. Escrever NÃO é um ato de inspiração, e sim um processo mecânico e repetitivo. Não fique esperando por uma ideia divina. Sente e escreva. 2. A habilidade de escrever é adquirida. Quanto mais você escrever, melhor ficará. Não tem essa de dom natural. Os grandes escritores erraram e ralaram muito. 3. Estude muito. Estude, estude, estude. Leia todos os livros que puder, veja todos os grandes clássicos do cinema, vá ao teatro, compre revistas em quadrinhos. Quanto mais ampla for sua cultura artística, maior será sua fonte de conhecimento. 4. Não é necessário "diploma" para ser escritor. Muitos dos grande gênios da escrita nunca colocaram os pés em uma faculdade. Portanto, não se preocupe com isso. Mas estude. E muito. 5. Busque sempre clareza em sua escrita. Nada de palavras difíceis e escrita arrastada. Estamos no século XXI e não no século XVIII. Seja objetivo. 6. O processo de escrita NÃO é linear. Você não precisa começar a escrever pelo início de uma história e nem escrever na ordem dos capítulos. Muitos começam pelo final. 7. Se der um branco no meio de uma frase ou parágrafo continue escrevendo. Pule de parágrafo, pule de página, pule de capítulo. Só não fique muito tempo olhando para um espaço em branco. 8. Nunca engane a audiência. Tudo que acontecer em sua história deve ter um fundamento. Nenhum personagem deve fazer algo que não se espera dele e não trate seu público como se fosse um bando de idiotas. Infelizmente as novelas atuais de TV estão aí para quebrar essa regra todo santo dia. 9. Saia de casa. Vá em lugares diferentes, conheça pessoas diferentes. Adquira experiência de vida e puxe papo com velhinhos na rua. Você não tem ideia de como isso ajuda no amadurecimento do escritor. 10. Não tenha projetos simultâneos. Se começou um livro, acabe esse livro. Se começou um conto, termine-o antes de começar outro. Fique focado em um projeto de cada vez. 11. Não fique corrigindo o tempo todo o texto. Acabe o primeiro rascunho (draft) da obra para depois se ater nos detalhes. O primeiro passo é acabar o rascunho. A escrita de verdade começa na revisão. 12. Escrever é reescrever. Faça o primeiro rascunho e depois reescreva até achar que ficou em um bom nível. Só não fique obcecado na revisão, senão você nunca acabará o texto. 13. Vença o desânimo que irá ocorrer no meio da obra. Quando estamos no meio de um projeto dá vontade de desistir, achamos que está uma porcaria e dá vontade de jogar tudo pro alto. É assim mesmo. Acontece também quando acabamos de escrever algo. Sempre achamos que está ruim. Afaste esse pensamento. 14. Escreva sobre algo. Mesmo que esse algo seja o nada, pelo menos você está dando uma direção ao texto. Saiba sobre o que você está escrevendo. 15. Escreva sobre algo que tenha importância para você. Não escreva sobre um assunto qualquer só porque está na moda  ou porque você acha que vai ter maior aceitação. 16. Evite descrições detalhadas, principalmente na literatura. Ninguém quer ler dez páginas sobre o clima do local ou a casa que o personagem se encontra. Quando J.R.R Tolkien escreveu o Senhor dos Anéis, com suas grandes descrições, ele estava preocupado não só em contar uma história, mas também em criar todo um mundo (Terra Média). Uma pesada descrição deixa o texto arrastado. 17. Valorize a ação e os diálogos. Deixe o roteiro ou o texto mais ágil e de fácil leitura. É muito melhor revelar detalhes sobre alguém através de diálogo e ação do que através de descrição. A ação ainda é mais eficaz que o diálogo. "Mostre, não conte". 18. Caso você seja um iniciante, busque sempre dividir a sua obra em três atos (Início, Meio e Fim). Não tente reinventar a roda de primeira. 19. Não dê todas as informações para o leitor logo de início. Espalhe-as pelo texto. Além disso, deixe espaço para o leitor poder criar com a própria mente partes de sua história. Valorize a imaginação do público. 20. Evite muitos personagens em uma história. Quanto maior for o número de personagens, maior será a dificuldade de fazer um bom texto e de dar vida a esses personagens. 21. Por incrível que pareça, fazer um início e um final não é tão complicado quanto preencher o meio da história. Procure, através de subenredos e de eventos importantes, manter o meio da história (o Ato 2) interessante. 22. Busque sempre variações na sua história. Varie os locais, o ânimo dos personagens, o clima, a hora do dia. 23. Não existe mais ideia original. Provavelmente tudo o que você pensar alguém já realizou. Porém, existem infinitas possibilidades de reescrever ou escrever algo novo sobre um tema já pensado. Desista de buscar a ideia revolucionária. Sente e escreva sobre algo do seu interesse. 24. Uma boa história é feita de conflitos intensos e dor. Seja na comédia, no desenho animado, no drama e em filmes de ação. Conflito e dor. A audiência quer que o personagem principal seja feliz. Torne isso difícil. 25. O escritor não precisa manter uma tensão insuportável a história inteira. Isso cansa o público. Crie alguns momentos de relaxamento e leveza. 26. Sempre escreva na formatação correta. Tenha um programa específico para roteiro, caso seja o seu objetivo. 27. Evite metáforas e comparações pomposas, pois diminuem a qualidade da escrita. 28. Sempre planeje sua obra antes de começar a escrevê-la. Tenha todas as cenas em cartões. Isso não significa que você não deva alterar algo, mas sim que você já tem um caminho para se guiar. 29. Não existe tema pequeno. Um bom escritor escreve sobre qualquer tema e lhe dá contornos épicos e dramáticos. 30. Fuja dos clichès e estereótipos. Eles podem até ser o seu ponto de partida, mas só. 31. Todo protagonista deve ter suas fraquezas. Todo vilão deve ter suas virtudes. Faça personagens reais e com sentimentos. Não faça um vilão caricato. 32. Uma boa história se baseia no princípio da ação crescente, ou seja, a situação do protagonista deve ficar cada vez pior e os conflitos mais intensos. Quando o público achar que nada pode piorar, você deve aumentar ainda mais os problemas dos personagens. 33. Não fuja do tema central da história. Muitos filmes pecam por isso. Se você se distanciar muito do tema central, pode ser que nunca mais o recupere. 34. Cuidado com as coincidências. Na vida real elas acontecem com frequência, mas em uma ficção dá ideia de preguiça. Evite-as ao máximo. 35. Os personagens secundários também são cruciais. Dê atenção a eles. 36. Após escrever e concluir o seu primeiro rascunho da obra, deixe-o em um canto por pelo menos 15 dias. Esqueça-o. Assim, quando você for realizar o processo de revisão, terá obtido o distanciamento necessário para fazer mudanças. 37. Você não precisa começar uma história no Era uma vez... Tente começar com uma ação, com algo dinâmico, para imediatamente prender a atenção do público. 38. As melhores histórias são aquelas que falam diretamente sobre as emoções que sentimos. São histórias "humanas" carregadas de moral e valores que são discutidos pelo autor e pela audiência. 39. Um escritor não é um pastor nem um padre. Não dê sermões para a audiência. Não empurre pela garganta do público o seu ponto de vista nem sua religião. Escreva de forma inteligente para que sua mensagem seja transmitida ao longo da história e de maneira bem sutil. 40. Não faça uma história super complicada. Confundir a cabeça do público não é um bom sinal. Faça sempre a seguinte pergunta: Por que a audiência tem que se importar com minha história e com meus personagens? Se nem você conseguir responder, é hora de repensar a trama. 41. O público precisa saber desde o início os desejos dos personagens, o que eles querem, mesmo que os próprios personagens não saibam. Assim, a audiência pode criar mais cedo uma empatia pelos personagens e se prenderem a sua história. Faça personagens ativos, que busquem a história e não somente fiquem reféns dos acontecimentos. 42. Os escritores geralmente valorizam muito o visual. Procure valorizar também outros sentidos como o paladar e o olfato. Assim abrem-se novas possibilidades de interações com a cena. 43. Lembre-se que as mudanças radicais em sua história não devem vir de uma hora para outra. Se o seu herói vai virar o vilão, deixe indícios de que isso pode acontecer ao longo do texto. 44. Mostre a obra para outros e tenha a sensiblidade de saber se a crítica é válida ou não. Mas sempre siga a sua intuição. Se o próprio Martin Scorsese disser que um personagem seu está fraco e você no seu íntimo não concordar, mantenha sua opinião. A obra é sua. 45. Leia seu texto em voz alta. Isso mesmo. Se soar bem, ótimo. Nas partes que não soar legal, você sabe que tem que mudar. 46. Estamos no século XXI. Seu livro não precisa ser publicado por uma editora. Você mesmo pode colocá-lo a venda na internet. 47. É muito difícil transformar um roteiro de cinema em filme no Brasil. Faça o roteiro, mas também o adapte para um livro. Assim você terá mais chances. 48. Valorize sua imagem. Tenha um site ou blog com seus escritos. 49. A culpa é sempre sua. Não se esqueça disso. Não se faça de vítima e nem coloque a culpa de um ou outro fracasso em outro. Busque aprender com os erros. 50. Nunca desista.
tópicos sobre narrativa, roteiros e mundos virtuais
Além do Cotidiano
Além do Cotidiano
tópicos sobre narrativa, roteiros e mundos virtuais

50 Conselhos para um Escritor Iniciante

Por Sandro Massarani Resolvi colocar aqui alguns conselhos interessantes para ajudar a refrescar a cabeça de quem gosta de escrever. Não há nenhuma sequência ou ordem específica nos conselhos.  Lembrando que praticamente todos esses pontos são analisados de forma mais profunda nos meus outros textos. 1. Escrever NÃO é um ato de inspiração, e sim um processo mecânico e repetitivo. Não fique esperando por uma ideia divina. Sente e escreva. 2. A habilidade de escrever é adquirida. Quanto mais você escrever, melhor ficará. Não tem essa de dom natural. Os grandes escritores erraram e ralaram muito. 3. Estude muito. Estude, estude, estude. Leia todos os livros que puder, veja todos os grandes clássicos do cinema, vá ao teatro, compre revistas em quadrinhos. Quanto mais ampla for sua cultura artística, maior será sua fonte de conhecimento. 4. Não é necessário "diploma" para ser escritor. Muitos dos grande gênios da escrita nunca colocaram os pés em uma faculdade. Portanto, não se preocupe com isso. Mas estude. E muito. 5. Busque sempre clareza em sua escrita. Nada de palavras difíceis e escrita arrastada. Estamos no século XXI e não no século XVIII. Seja objetivo. 6. O processo de escrita NÃO é linear. Você não precisa começar a escrever pelo início de uma história e nem escrever na ordem dos capítulos. Muitos começam pelo final. 7. Se der um branco no meio de uma frase ou parágrafo continue escrevendo. Pule de parágrafo, pule de página, pule de capítulo. Só não fique muito tempo olhando para um espaço em branco. 8. Nunca engane a audiência. Tudo que acontecer em sua história deve ter um fundamento. Nenhum personagem deve fazer algo que não se espera dele e não trate seu público como se fosse um bando de idiotas. Infelizmente as novelas atuais de TV estão aí para quebrar essa regra todo santo dia. 9. Saia de casa. Vá em lugares diferentes, conheça pessoas diferentes. Adquira experiência de vida e puxe papo com velhinhos na rua. Você não tem ideia de como isso ajuda no amadurecimento do escritor. 10. Não tenha projetos simultâneos. Se começou um livro, acabe esse livro. Se começou um conto, termine-o antes de começar outro. Fique focado em um projeto de cada vez. 11. Não fique corrigindo o tempo todo o texto. Acabe o primeiro rascunho (draft) da obra para depois se ater nos detalhes. O primeiro passo é acabar o rascunho. A escrita de verdade começa na revisão. 12. Escrever é reescrever. Faça o primeiro rascunho e depois reescreva até achar que ficou em um bom nível. Só não fique obcecado na revisão, senão você nunca acabará o texto. 13. Vença o desânimo que irá ocorrer no meio da obra. Quando estamos no meio de um projeto dá vontade de desistir, achamos que está uma porcaria e dá vontade de jogar tudo pro alto. É assim mesmo. Acontece também quando acabamos de escrever algo. Sempre achamos que está ruim. Afaste esse pensamento. 14. Escreva sobre algo. Mesmo que esse algo seja o nada, pelo menos você está dando uma direção ao texto. Saiba sobre o que você está escrevendo. 15. Escreva sobre algo que tenha importância para você. Não escreva sobre um assunto qualquer só porque está na moda  ou porque você acha que vai ter maior aceitação. 16. Evite descrições detalhadas, principalmente na literatura. Ninguém quer ler dez páginas sobre o clima do local ou a casa que o personagem se encontra. Quando J.R.R Tolkien escreveu o Senhor dos Anéis, com suas grandes descrições, ele estava preocupado não só em contar uma história, mas também em criar todo um mundo (Terra Média). Uma pesada descrição deixa o texto arrastado. 17. Valorize a ação e os diálogos. Deixe o roteiro ou o texto mais ágil e de fácil leitura. É muito melhor revelar detalhes sobre alguém através de diálogo e ação do que através de descrição. A ação ainda é mais eficaz que o diálogo. "Mostre, não conte". 18. Caso você seja um iniciante, busque sempre dividir a sua obra em três atos (Início, Meio e Fim). Não tente reinventar a roda de primeira. 19. Não dê todas as informações para o leitor logo de início. Espalhe-as pelo texto. Além disso, deixe espaço para o leitor poder criar com a própria mente partes de sua história. Valorize a imaginação do público. 20. Evite muitos personagens em uma história. Quanto maior for o número de personagens, maior será a dificuldade de fazer um bom texto e de dar vida a esses personagens. 21. Por incrível que pareça, fazer um início e um final não é tão complicado quanto preencher o meio da história. Procure, através de subenredos e de eventos importantes, manter o meio da história (o Ato 2) interessante. 22. Busque sempre variações na sua história. Varie os locais, o ânimo dos personagens, o clima, a hora do dia. 23. Não existe mais ideia original. Provavelmente tudo o que você pensar alguém já realizou. Porém, existem infinitas possibilidades de reescrever ou escrever algo novo sobre um tema já pensado. Desista de buscar a ideia revolucionária. Sente e escreva sobre algo do seu interesse. 24. Uma boa história é feita de conflitos intensos e dor. Seja na comédia, no desenho animado, no drama e em filmes de ação. Conflito e dor. A audiência quer que o personagem principal seja feliz. Torne isso difícil. 25. O escritor não precisa manter uma tensão insuportável a história inteira. Isso cansa o público. Crie alguns momentos de relaxamento e leveza. 26. Sempre escreva na formatação correta. Tenha um programa específico para roteiro, caso seja o seu objetivo. 27. Evite metáforas e comparações pomposas, pois diminuem a qualidade da escrita. 28. Sempre planeje sua obra antes de começar a escrevê-la. Tenha todas as cenas em cartões. Isso não significa que você não deva alterar algo, mas sim que você já tem um caminho para se guiar. 29. Não existe tema pequeno. Um bom escritor escreve sobre qualquer tema e lhe dá contornos épicos e dramáticos. 30. Fuja dos clichès e estereótipos. Eles podem até ser o seu ponto de partida, mas só. 31. Todo protagonista deve ter suas fraquezas. Todo vilão deve ter suas virtudes. Faça personagens reais e com sentimentos. Não faça um vilão caricato. 32. Uma boa história se baseia no princípio da ação crescente, ou seja, a situação do protagonista deve ficar cada vez pior e os conflitos mais intensos. Quando o público achar que nada pode piorar, você deve aumentar ainda mais os problemas dos personagens. 33. Não fuja do tema central da história. Muitos filmes pecam por isso. Se você se distanciar muito do tema central, pode ser que nunca mais o recupere. 34. Cuidado com as coincidências. Na vida real elas acontecem com frequência, mas em uma ficção dá ideia de preguiça. Evite-as ao máximo. 35. Os personagens secundários também são cruciais. Dê atenção a eles. 36. Após escrever e concluir o seu primeiro rascunho da obra, deixe-o em um canto por pelo menos 15 dias. Esqueça-o. Assim, quando você for realizar o processo de revisão, terá obtido o distanciamento necessário para fazer mudanças. 37. Você não precisa começar uma história no Era uma vez... Tente começar com uma ação, com algo dinâmico, para imediatamente prender a atenção do público. 38. As melhores histórias são aquelas que falam diretamente sobre as emoções que sentimos. São histórias "humanas" carregadas de moral e valores que são discutidos pelo autor e pela audiência. 39. Um escritor não é um pastor nem um padre. Não dê sermões para a audiência. Não empurre pela garganta do público o seu ponto de vista nem sua religião. Escreva de forma inteligente para que sua mensagem seja transmitida ao longo da história e de maneira bem sutil. 40. Não faça uma história super complicada. Confundir a cabeça do público não é um bom sinal. Faça sempre a seguinte pergunta: Por que a audiência tem que se importar com minha história e com meus personagens? Se nem você conseguir responder, é hora de repensar a trama. 41. O público precisa saber desde o início os desejos dos personagens, o que eles querem, mesmo que os próprios personagens não saibam. Assim, a audiência pode criar mais cedo uma empatia pelos personagens e se prenderem a sua história. Faça personagens ativos, que busquem a história e não somente fiquem reféns dos acontecimentos. 42. Os escritores geralmente valorizam muito o visual. Procure valorizar também outros sentidos como o paladar e o olfato. Assim abrem-se novas possibilidades de interações com a cena. 43. Lembre-se que as mudanças radicais em sua história não devem vir de uma hora para outra. Se o seu herói vai virar o vilão, deixe indícios de que isso pode acontecer ao longo do texto. 44. Mostre a obra para outros e tenha a sensiblidade de saber se a crítica é válida ou não. Mas sempre siga a sua intuição. Se o próprio Martin Scorsese disser que um personagem seu está fraco e você no seu íntimo não concordar, mantenha sua opinião. A obra é sua. 45. Leia seu texto em voz alta. Isso mesmo. Se soar bem, ótimo. Nas partes que não soar legal, você sabe que tem que mudar. 46. Estamos no século XXI. Seu livro não precisa ser publicado por uma editora. Você mesmo pode colocá-lo a venda na internet. 47. É muito difícil transformar um roteiro de cinema em filme no Brasil. Faça o roteiro, mas também o adapte para um livro. Assim você terá mais chances. 48. Valorize sua imagem. Tenha um site ou blog com seus escritos. 49. A culpa é sempre sua. Não se esqueça disso. Não se faça de vítima e nem coloque a culpa de um ou outro fracasso em outro. Busque aprender com os erros. 50. Nunca desista.